Sudão pretende matar cristãos de fome, acusam organizações

Europa podem retirar o Sudão da lista de ´patrocinadores do terrorismo´, mas organizações alertam que os abusos continuam no país

O governo dos EUA está prestes a retirar o Sudão da lista de ‘Patrocinadores do Terrorismo’, apesar do bombardeio sistemático do regime sobre seus próprios civis cristãos. O movimento controverso segue a suspensão das sanções contra Cartum em setembro.

Washington melhorou suas relações com o Sudão sob a pressão da Arábia Saudita. Atualmente, existem milhares de soldados sudaneses que combatendo nas guerras da Arábia Saudita no Iêmen, dos quais 400 foram mortos. No mesmo ano, as forças sudanesas foram implantadas no Iêmen, a Arábia Saudita e o Catar deram ao regime de Cartum, um dos países mais endividados, 2,2 bilhões de dólares.

No entanto, apesar das inspeções dos EUA ao Sudão, seu presidente, Field Marshall Bashir, pediu a proteção do presidente Putin contra “os atos agressivos dos EUA” na semana passada em uma viagem à Rússia. Bashir permanece sob acusação de genocídio pelo Tribunal Penal Internacional.

Desde 2011, a força aérea sudanesa realizou uma campanha de bombardeios aéreos nos estados do Sul do Cordofão e do Nilo Azul, onde a maioria da população sudanesa é cristã ou animista e negra africana. O Hospital Mãe de Misericórdia foi alvo várias vezes destes ataques, assim como escolas e clínicas apoiadas por cristãos.

O governo do Sudão também bloqueou grande parte da área para evitar a entrada de ajuda humanitária ou observadores internacionais. A estratégia do governo de bombardear campos e mercados repetidamente impediu os agricultores de plantar ou colher em suas lavouras, levando a uma escassez generalizada de alimentos. Grupos de direitos humanos sugerem que o regime pretende eliminar sua população não-muçulmana usando a fome.

Na capital, Cartum, os serviços de segurança sudaneses detém regularmente, perseguem, e dão prêmios a quem denunciar líderes cristãos. Além disso, o governo designou 25 igrejas para demolição, decretando que não haverá mais permissão para a construção de igrejas. O governo afirma que quando o Sul de maioria cristã se separou em 2011, formando a nova República do Sudão do Sul, a população cristã do Sudão migrou para ela. No entanto, milhões de cristãos permanecem ao norte da fronteira, em Cartum, Cordofão do Sul e Nilo Azul, onde viveram durante séculos.

Em 2011, antes do referendo da independência do Sul, o presidente Bashir declarou: “Se o Sudão do Sul se separar, mudaremos a constituição e não haverá tempo para falar de diversidade de cultura e etnia … a lei Sharia (lei islâmica) será a principal fonte de legislação, o islamismo a religião oficial e o árabe a língua oficial”.

Sua declaração viola a Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 18, que garante a liberdade de crença (e a liberdade de não acreditar), à que o Sudão é signatário. O órgão de vigilância internacional imparcial “Freedom House” oferece ao Sudão a classificação mais baixa com relação ao respeito aos direitos humanos, assim como a ONG anti-corrupção, ‘Transparency International‘.

Top

Independentemente dos contínuos abusos dos direitos humanos do Sudão, tanto os EUA quanto a União Europeia estão buscando reparar as relações com Cartum. Washington é motivado por sua necessidade de ser visto para incluir o maior número de nações muçulmanas em sua coalizão contra o islamismo radical. No entanto, o Sudão forneceu asilo para jihadistas (incluindo Osama bin Laden por cinco anos), e recentemente cortou suas ligações com Irã e o Hezbollah, sob pressão da Arábia Saudita. Em 2013, a Al Qaeda anunciou que abriu uma filial na Universidade de Cartum. Vale ressaltar que o governo não falou em fechá-la, enquanto os jornais da oposição são confiscados regularmente e as igrejas demolidas.

De acordo com a especialista do Sudão, Gill Lusk: “O regime de Cartum dedica energia e habilidade consideráveis ??para dizer ao Ocidente o que quer ouvir sobre questões de segurança e inteligência, mas não enganou os milhões de sudaneses que procuram o restabelecimento da democracia e dos direitos humanos, que sabem que persiste em não ser apenas brutal e corrupto, mas também islâmico”.

 Fonte: CPAD News

Sobre o Autor

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *